quarta-feira, janeiro 05, 2011

parece simples

“A única coisa que fiz neste País foi o óbvio, o que todo mundo deveria ter feito, mas não fez até hoje. Aprendi que fazer o óbvio é a coisa mais tranquila porque todo mundo sabe que é preciso fazer, não dá para inventar.”
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-Presidente do Brasil, homem do povo.


É aquilo de que muito boa gente e em particular os políticos normalmente se esquece: o óbvio.

9 comentários:

Anónimo disse...

O Brasil tem um regime presidencialista em que, por essa natureza do regime,e em termos práticos, acumula as funções de PR com as de Primeiro-Ministro.

Lula da Silva é daqueles homens que não chegou a ser "menino".

O saber de "vida vivida" e a ideologia socialista,aliados a uma grande determinação e inteligência política, tornaram-no o melhor Presidente do Brasil de todos os tempos,abandonando o cargo num patamar de 80% de popularidade.

Jamais isso seria possível se no lugar de Lula da Silva estivesse José Sócrates ou alguém da sua corte, se nos escalões intermédios estivesse a "rafeiragem" que se instalou em todo o aparelho de Estado ou para-Estado,vivendo à tripa-forra,gozando mordomias escandalosas e injustas.

No Portugal de hoje e infelizmente de há muitos anos o ÓBVIO É :

SACAR!!! SACAR!!! SACAR!!!



José Guilherme,emigrante no Brasil.

Hugo Cristóvão disse...

Caro José Guilherme

Também não sejamos tão dramáticos! Nem Sócrates é o monstro que dele querem fazer, pelo contrário mostra a coragem e determinação que poucos aguentariam - a maioria já teria ido embora - nem o Brasil é propriamente modelo de virtudes, particularmente no que toca à corrupção.

O principal problema em Portugal é de mentalidade,
No que toca às medidas difíceis por exemplo, a maioria concorda com elas, desde que não lhe toque a si; ou por outro lado, a generalidade critica o comportamento dos responsáveis, particularmente dos políticos, na maioria das vezes de forma injusta, mas depois não percebe ou percebe mas desculpa-se por ter comportamentos exactamente iguais aos que critica.
A velha imagem do português que chega a um sítio e encontra uma fila - a primeira coisa que lhe vêm à mente é como fazer para passar à frente!

os melhores cumprimentos

Anónimo disse...

Caro Hugo Cristóvão,

Óbviamente que não considero o Brasil um paraíso,não ignoro a corrupção que ainda grassa,mas Lula da Silva,ou melhor,as suas políticas,diminuiram,em 8 anos,o número de pobres em 20 milhões.
20 MILHÕES!

Em Portugal,com e sem Sócrates,nesses 8 anos,o que aconteceu?

Diga: O QUE ACONTECEU?

E não me venha só com o "papão" da crise internacional,porque o Brasil também sofreu os seus efeitos.

Responda-me à questão de "fazer o ÓBVIO".

O que é o ÓBVIO em Portugal?

É com muito desgosto e tristeza que discordo da sua explicação baseada em subjectividades e lhe reafirmo:

No Portugal de hoje e infelizmente de há muitos anos o ÓBVIO É :

SACAR!!! SACAR!!! SACAR!!!



José Guilherme

Hugo Cristóvão disse...

Caro José Guilherme,

Não lhe parece que subjectivo é dizer que "No Portugal de hoje e infelizmente de há muitos anos o ÓBVIO É : SACAR!!! SACAR!!! SACAR!!!" ?

Uma análise distante e isenta demonstrará que em verdade se fez muito nestes últimos 5 anos de governação socialista. Alguns exemplos:

- Aposta nas energias renováveis como forma de combate à dependência energética do país, contribuindo com isso para a criação de emprego e desenvolvimento económico em áreas competitivas;
- Aposta forte na educação, particularmente no desenvolvimento tecnológico e no parque escolar, como nunca foi feito no país, como forma de tentar recuperar o atraso para os países mais desenvolvidos;
- Pela primeira vez na história da Democracia portuguesa houve uma efectiva redução do défice da dívida pública (2007 e 2008), bem como pela primeira vez em toda a história do país houve uma efectiva redução do número dos funcionários do Estado em quase 100.000.
Entre muito mais. E a crise internacional não é um papão, é um caso muito sério, que afectou essencialmente os chamados países mais desenvolvidos, mas que passou muito ao lado dos chamados emergentes, como o Brasil, China e Índia, essencialmente.

Claro, há muitas outras coisas óbvias a fazer em Portugal, por exemplo na reorganização administrativa do país - não se concebe que um país com a nossa dimensão e no tempo que vivemos, possa comportar 308 concelhos e mais de 4200 freguesias. Mas isso só é possível fazer com o entendimento entre os dois maiores partidos, o que infelizmente tem sido difícil

E nada disto são subjectividades.
Um dos nossos maiores problemas aliás, é igualmente uma questão de mentalidade - o facto de a generalidade da população não fazer verdadeiras críticas, ou seja, fundamentadas, baseadas no concreto e com aprofundamento das questões, mas ter sim uma cultura de "má língua" e pessimismo crónico, embarcando em generalidades replicadas ao infinito.

cumprimentos,

Anónimo disse...

Caro Hugo Cristóvão,

Diga-me :

1º - Quantos milhares de "boys" e "girls" do PS,do PSD e dos outros partidos(muito menos)estão acolitados no aparelho do Estado - local,regional,central,empresas públicas,empresas municipais,institutos públicos,fundações,comissões disto e daquilo e similares?

2º - Qual o valor da massa salarial e mordomias diversas auferidos por essa gente toda?

3º - Qual o nº de pensionistas,de todos os sistemas de segurança social, com pensões entre 1.500-2.000 euros,entre 2.000-3.000,entre 3.000-4.000,entre 4.000-5.000 e com mais de 5.000 euros/mês?

4º - Quanto custam,globalmente, estes pensionistas por mês?

5º - Qual a % do valor pago a estes x% de pensionistas em relação à massa total das pensões pagas por todos os sistemas de segurança social?

6º - Qual é o valor da massa salarial global,incluindo mordomias,de todos os que trabalham nas instituições referidas em 1º?

7º - Qual a % em relação ao global que é auferida pelos administradores e chefias por um lado,e o restante pessoal por outro?

8º - Qual é o vencimento mais alto pago em todas as instituições assinaladas em 1º?

9º - Qual é o salário mais baixo pago nessas mesmas instituições?


Deixo-lhe ainda um desafio em relação ao sub-sector da justiça :

- Quantos processos estão a correr em todos os tribunais portugueses,de todas as áreas e escalões?

- Quantos juízes temos em todos esees tribunais?

- Quantos delegados do MP temos em todos os tribunais+CSM+CSMP+PGR+Departamentos Centrais?

- Quantos processos estão,em média,distribuídos por cada magistrado - juízes por um lado e delegados do MP por outro?

- Desse nº médio de processos distribuídos,quantos chegam ao fim em cada ano judicial?

- Quanto ganha o juíz mais bem pago do país?

- Quanto ganha o funcionário de justiça do país?


Quando o HUGO ou ALGUÉM responder a estas perguntas OBJECTIVAS é muito fácil perceber as raízes do MONSTRO que nos consome.

E então podemos exclamar:

AFINAL É SIMPLES!!

Vamos fazer O ÓBVIO!


José Guilherme

Anónimo disse...

Já agora,o que me diz a esta notícia:

"Um outro projecto foi chumbado, que solicitava ao Governo que apresentasse um relatório com a avaliação financeira das responsabilidades dos accionistas e administradores da SLN e do BPN SGPS, até Novembro de 2008 – altura em que o banco foi nacionalizado. PSD votou contra e o PS e o CDS-PP optaram pela abstenção, inviabilizando assim o projecto."

Porque é que o PS se absteve?

Teve pena de "seu" Cavaco e de "sus muchachos"?

Sabe?

São muitas coisas destas que NÃO são ÓBVIAS!


José Guilherme

Anónimo disse...

Caro Hugo Cristóvão,

Que se passou com o meu comentário que levantava questões super-objectivas e julgo que interessantes para o debate e os seus leitores?

Cumprimentos.


José Guilherme

Hugo Cristóvão disse...

Caro José Guilherme,

Vamos lá ver se fica claro que o algures aqui não é nenhum espaço de serviço público, nem eu estou de plantão à espera que cheguem comentários!

Quanto às "questões" que coloca são tantas que, não só por isso mas naturalmente pela carga demagógica que apresentam, até porque não podemos misturar alhos com bugalhos, com é óbvio não têm resposta. Além disso não sou porta voz nem do Governo nem da bancada parlamentar do PS na Assembleia da República.

cumprimentos

Anónimo disse...

Caro Hugo Cristóvão,

A sua resposta/comentário deixou-me devidamente esclarecido sobre os desígnios do seu blogue.

Cumprimentos.


José Guilherme